5 estratégias para atrair clientes para a loja virtual

Atrair mais clientes para a loja virtual é um daqueles objetivos que precisam ser trabalhados o tempo inteiro, independentemente do porte ou do ramo da empresa.

Primeiro, porque a taxa de conversão do e-commerce não é alta. Historicamente, no caso do Brasil, o índice varia entre 1% e 2%. Ou seja, a cada 100 pessoas que entram na loja, uma ou duas vão concluir a compra.

Seguindo esse raciocínio, uma operação de sucesso precisa investir na aquisição de tráfego, uma vez que isso vai refletir diretamente nos seus resultados de faturamento.

No dia a dia das lojas, contudo, é preciso atenção com as estratégias que podem ser adotadas não apenas para atrair novos consumidores, mas também para aumentar a frequência de compras dos clientes que já fazem parte da base.

Reunimos neste artigo informações sobre estratégias que podem ser adotadas para atrair mais clientes para o e-commerce. Confira!

1. Olhe para o seu negócio

Meio óbvio falar que é preciso “olhar para o negócio”, certo? Então, mas ainda vemos muitos clientes que não dedicam a atenção necessária para o acompanhamento dos resultados da sua loja virtual.

Recursos para isso não faltam, uma vez que as próprias plataformas de e-commerce permitem que as vendas sejam monitoradas praticamente em tempo real, a partir de uma série de relatórios.

E, além disso, é possível saber de onde vem o tráfego: links patrocinados, redes sociais, site, busca orgânica etc.

O principal, então, é ter uma estratégia adequada de monitoramento. Ou seja, o primeiro passo para aumentar o tráfego é definir e acompanhar os indicadores-chave do e-commerce.

Análises sobre número de clientes em determinado período, volume de compras, páginas visitadas, abandono de carrinho, taxa de conversão etc. devem orientar as estratégias no médio e longo prazos.

Uma loja que tem um alto número de visitantes, mas não consegue a conversão, precisa de ações diferentes daquela que não tem tráfego, por exemplo.

E esses fatores, obviamente, não devem ser analisados de forma isolada, mas em consonância com o funil de vendas e com o estágio no qual o cliente se encontra.

É a partir daí, de esforços bem direcionados, que a loja vai conseguir ter um volume de tráfego consistente e que reflita positivamente nos resultados.

2. Estruture fluxos de mensagens

Esse entendimento do que acontece no funil de vendas permite definir com mais precisão, por exemplo, fluxos de mensagens para abordar o cliente em cada situação.

Isso pode ser feito via e-mail marketing ou, para quem tem uma operação integrada com o WhatsApp, via mensagens enviadas por meio do aplicativo.

Essas iniciativas são importantes porque permitem que a loja aborde de forma eficiente também os clientes da sua base.

Muitas vezes, quando se pensa em aumento de tráfego, as empresas olham apenas para estratégias de atração de clientes. No entanto, é importante lembrar que ativar uma base de clientes pode ser bem mais barato, até pela possibilidade de usar os canais diretos.

A vantagem é que esse tipo de trabalho pode ser feito de diversas formas. Por exemplo, detectou-se a pouca saída de determinado item que já está há muito tempo no estoque. Isso geralmente não é positivo, uma vez que o investimento de produção foi feito e, aquele capital, precisa retornar.

Com essa informação, a empresa pode criar uma promoção específica para aquele item. Neste caso, além da venda em si, a estratégia vai ajudar a aumentar o tráfego.

Importante lembrar que pessoas que já conhecem e confiam na marca tendem a gastar mais. Ou seja, são reais as chances de aumento de faturamento, até pela alta no ticket médio.

3. Use os recursos disponíveis

Atrair clientes para o e-commerce envolve a adoção de iniciativas em diversas frentes.

Divulgação é importante, mas também é preciso explorar melhor os recursos disponíveis para ativar a própria base de clientes.

Isso pode ser feito por meio dos recursos de promoção disponíveis na própria plataforma, como oferta de combos e de cupons de desconto. Ações de cross-sell e de up-sell funcionam bem nesses casos, assim como iniciativas utilizadas para agregar serviços.

Outra questão importante, quando se avalia atração de clientes para as lojas virtuais, é a experiência proporcionada ao consumidor durante a sua jornada de compra.

Clientes satisfeitos tendem a retornar e, mais do que isso, tornam-se promotores das marcas.

No geral, o que se constata é que o grau de atratividade do e-commerce é orientado por questões relativamente simples de serem executadas, como:

– Frete competitivo;

– Preços acessíveis;

– Prazo de entrega curto;

– Opção para retirar o produto na loja;

– Disponibilidade dos itens;

– Boas condições de pagamento.

4. Diversifique seus investimentos em mídia

O marketing digital oferece inúmeras possibilidades para aumento do tráfego no comércio eletrônico. E, no dia a dia, percebemos que têm sido mais bem-sucedidas as operações que conseguem diversificar seus investimentos.

É a velha história: não se deve depositar todos os ovos numa única cesta! 

Na análise dos canais mais propício para aquisição de clientes, sabemos que links patrocinados e outros tipos de mídia paga são importantes, mas não se pode ignorar a relevância da busca orgânica.

Num ambiente cada dia mais competitivo, como é o digital, a disputa pela atenção do cliente passa por ter uma marca bem posicionada nesse sentido.

Até por isso temos visto grandes operações dedicando-se com mais atenção ao marketing de conteúdo.

Neste caso, ainda que o resultado de vendas não seja tão rápido como na mídia paga, percebe-se que os ganhos no médio e longo prazos compensam, uma vez que a loja consegue tornar-se referência, construir reputação.

5. Invista no omnichannel

Entre as vantagens da operação omnichannel, certamente figura o fato de a loja ter como trabalhar com uma base de informações bem mais rica, uma vez que consegue ter dados sobre a movimentação dos clientes em vários canais e momentos de compra.

A partir daí, é possível criar estratégias específicas para cada segmento de público, o que reflete positivamente nos resultados das vendas.

Seguindo nesse caminho, é importante que o planejamento contemple os diferentes objetivos que podem ser alcançados.

Por exemplo, se a meta é vencer a resistência dos clientes que ainda não conhecem o produto, que tal uma ação de sampling? Essas ações funcionam bem para alguns setores, como de cosméticos.

O ideal, por causa da questão do frete, é incluir o item na compra do cliente. O principal, neste caso, é atentar para a segmentação. A ação deve ser direcionada para um público qualificado, ou seja, que tenha condições de adquirir o produto.

Pensando em aquisição de novos clientes, vale a pena estudar, também, a possibilidade de realizar concursos nas redes sociais. Essa estratégia aumenta o alcance da marca e, se bem-feita, ajuda também a promover o engajamento do público.

Ainda visando objetivos mais imediatos e fáceis de serem mensurados, pode-se realizar também iniciativas baseadas no sentido de urgência, que é um gatilho mental importante para o consumidor.

Deve-se redobrar a atenção não apenas com o tipo de oferta (precisa ser vantajosa para o cliente), mas com a comunicação, que deve ser incisiva no sentido de valorizar a “urgência”.

Como ficou claro neste artigo, existe um leque enorme de alternativas que podem ser utilizadas para promover o e-commerce e atrair novos clientes. Para não desperdiçar tempo, nem recursos, fique atento para planejar-se adequadamente, cuidando também da parte de mensuração. 

Artigo originalmente publicado no Blog Ecommerce Brasil.

Posts relacionados