A importância dos canais online para vender seu produto ou serviço

canais online para vender
Ter um canal de vendas via internet não é mais privilégio deste ou daquele setor. O acesso à web se popularizou de tal forma que hoje não existe mais restrição. Os últimos dados oficiais divulgados indicam que o número de usuários ultrapassou a casa dos 120 milhões de pessoas. Destes, 87% acessam todos os dias. Com essa expansão, é praticamente impossível encontrar um negócio de sucesso hoje que não faça uso da força das plataformas online. É óbvio que isso não significa que vamos assistir ao desaparecimento das lojas físicas. O que vemos acontecer cada vez mais é a integração dos canais de venda. Daí a importância do conceito de multicanalidade. Para atender à demanda de um público cada vez mais exigente, o desafio para as empresas, independentemente do porte ou setor de atuação, é valorizar a conveniência do cliente. Na prática, isso significa viabilizar suas compras pelos canais que ele considerar mais relevantes. Website, mobile, loja física, redes sociais e marketplaces. O objetivo deste artigo é servir como um guia básico para quem resolveu investir num canal de vendas via internet e que já entendeu o potencial do comércio eletrônico. Para orientá-lo nessa jornada, selecionamos algumas questões prioritárias para ter um e-commerce de sucesso, como: – Panorama do comércio eletrônico no Brasil – Cuidados na estruturação da operação; – Critérios na escolha da plataforma de e-commerce; – Iniciativas prioritárias para melhorar o desempenho da loja. Boa leitura e, esperamos, aprendizados!

1- Panorama do Comércio Eletrônico no Brasil

1.1- Os números do setor de e-commerce

Os dados reunidos na última edição da pesquisa e-Bit/Nielsen confirmam o excelente momento do comércio eletrônico no Brasil: – No primeiro semestre de 2018, 27,4 milhões de pessoas fizeram compras nas lojas virtuais; – O faturamento do setor alcançou a cifra de R$ 53,4 bilhões, o que representa uma alta de 12% em relação a 2017. – Alcançamos em 2018 um total de 120 milhões de pedidos. Para se ter ideia, isso representa quase o dobro do registrado em 2011. – As vendas via marketplaces tiveram um aumento nominal de 62% em relação ao mesmo período de 2017. – 4,5 milhões compraram pela primeira vez na internet no primeiro semestre de 2018. Isso comprova o potencial do mercado, que continua atraindo novos entrantes. – Na Black Friday 2018, considerada uma das principais datas do setor, o volume de pedidos cresceu 23%. A expectativa do mercado era que esse aumento chegasse a 15%.

1.2- A importância dos aplicativos de mensagens

Os aplicativos de mensagens também têm despontado como canais relevantes para ativar vendas. A pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box – Mensageria no Brasil – Fevereiro de 2018 confirma a importância dos apps: entre os entrevistados, 96% declararam ter o WhatsApp instalado, contra 76% do Facebook Messenger e 15% do Telegram. Com relação ao uso WhatsApp, o mais popular, a pesquisa apurou que: 73% usam para tirar dúvidas/pedir informações; 56% para receber suporte técnico; 53% para receber promoções; 48% para comprar produtos; 46% comprar serviços; 42% cancelar serviços.

1.3- Preferências do consumidor

Pesquisa da CDNL e SPC confirma o interesse do consumidor pelo ambiente online. No levantamento, a internet aparece como o meio preferido de 62% dos internautas na hora de ir às compras; 36% ainda preferem as lojas físicas e 1% cita as redes sociais. A propósito das vantagens do comércio eletrônico, destacam-se: Preço. 83% acreditam que os preços praticados no e-commerce são mais baixos. Comodidade. Essa opção foi indicada por 75% dos entrevistados. Variedade. 73% destacaram a variedade como vantagem do comércio eletrônico. Facilidade na escolha dos produtos. 62% indicam a facilidade na escolha dos produtos como um dos atrativos os canais de venda online. Disponibilidade de informações. 59% citam a disponibilidade de informações como um dos benefícios da compra via internet.

1.4- O crescimento dos marketplaces

Outra questão importante na análise do panorama atual do e-commerce no Brasil é o crescimento dos marketplaces. Operando como um shopping center virtual, reunindo diversas lojas, esse tipo de operação tem contribuído para a atração dos consumidores e aumento do faturamento. Essa situação não é vista apenas no Brasil, mas também em mercados mais maduros (EUA, Europa e Ásia), o que comprova que se trata de uma tendência importante. Uma dúvida recorrente entre quem resolveu ter um canal de vendas via internet é se vale a pena investir num e-commerce próprio ou apenas inserir a loja no marketplace. A resposta para essa pergunta depende dos seus objetivos com o negócio. Se é apenas uma forma de ganhar dinheiro extra, ter uma segunda atividade, analise a possibilidade de atuar por um tempo exclusivamente nos marketplaces. Agora, se o objetivo é ter uma operação profissional, prevendo consolidar um patamar significativo de vendas e faturamento, o ideal é estruturar seu e-commerce próprio e fazer a integração com os principais marketplaces do país. Nesse caso, essas operações são vistas como mais um canal de vendas e vão ajudar a garantir escala para o negócio e também a experiência necessária para desenvolver a sua marca no ambiente online. Para mais informações sobre as vantagens dos marketplaces, consulte os artigos publicados no blog da JET sobre o assunto.

2.0- Cuidados na estruturação da operação

Entendido o potencial do comércio eletrônico, confira as questões que você precisa ter em mente antes de abrir a sua operação de e-commerce.

2.1- Planejamento

O desenvolvimento de um plano de negócios é o primeiro passo para organizar o seu canal de vendas online. É o momento de organizar as informações sobre o segmento de atuação, tipo de produto que será comercializado e público-alvo. Quanto mais dados reunir, melhor. Muitos negócios fracassam porque os gestores deixaram de analisar as condições mercadológicas e sua viabilidade financeira. Se a proposta é trabalhar com revenda, prepare a lista dos eventuais parceiros, detalhando todos os dados que vão lhe ajudar a chegar nas melhores condições de venda. Além das informações relacionadas ao produto, lembre-se de incluir no planejamento as linhas gerais sobre como será feira a divulgação do negócio. A concorrência está cada dia mais acirrada, então, é muito difícil consolidar uma operação de sucesso sem investir nas iniciativas de marketing.

2.2- Gestão operacional

A operação de um e-commerce exige atenção com diversos detalhes. Assim, decida com antecedência como a sua loja vai lidar com essas questões: – entrega dos produtos. As opções são Correios e transportadoras, mas é fundamental fazer o levantamento dos custos, uma vez que eles vão impactar a precificação dos produtos; – tipo de estoque. É possível trabalhar com diferentes modalidades, como o dropshipping, no qual a loja não precisa de espaço de armazenamento. – meios de pagamento. A recomendação é oferecer o maior número possível de opções para os clientes, daí a importância dos intermediadores. Atenção: ao escolher a sua plataforma de e-commerce, certifique-se de que ela está preparada para fazer a integração com os diferentes sistemas. Isso vai facilitar o trabalho no dia a dia, além de evitar dores de cabeça na administração do processo. – certificados de segurança. As lojas virtuais lidam diariamente com os dados importantes dos clientes, então, é imprescindível oferecer um ambiente seguro. Se ainda tem dúvidas sobre o assunto, confira o artigo sobre Site Seguro publicado no nosso blog.

2.3- Gestão de marketing

É comum pensarmos no marketing como sinônimo de comunicação, mas essa é apenas uma das suas funções. As atividades nessa área vão ajudar a posicionar a sua operação, cuidando para que a marca seja percebida pelo cliente da melhor forma possível. Ou seja, cabe ao marketing materializar os diferenciais do e-commerce, além de desenvolver as estratégias que serão empregadas para atrair e reter os clientes. Nesse contexto, lembre-se de que a percepção do consumidor é construída a partir das várias experiências que ele tem com a marca, do site da loja ao serviço de pós-venda. Resulta daí a importância de dedicar a devida atenção à escolha da plataforma do e-commerce. Vamos nos deter nesse assunto no próximo tópico. Acompanhe!

3- Critérios na escolha da plataforma de e-commerce

As soluções tecnológicas do e-commerce têm um papel determinante no sucesso da operação. Afinal, o uso dos recursos adequados é que vai permitir que você disponibilize um ambiente amigável e seguro para o seu cliente. Não se engane, apesar do crescimento do comércio eletrônico, os consumidores ainda têm certo receio de comprar pela internet. Como minimizar os problemas? Facilitando o processo de escolha dos produtos e de pagamento. Para que isso ocorra, lembre-se de que o sistema escolhido precisa atender bem às demandas do usuário, mas também agilizar o processo de administração da loja. Usando os termos técnicos do setor, é vital ter bons recursos no back office e no front end da loja. Para não errar, analise essas questões ao fazer a sua escolha de plataforma: – Tecnologia de ponta Para garantir que a sua loja tenha acesso à soluções atualizadas, analise com atenção as plataformas de e-commerce SaaS.  A plataforma JET NEO é do tipo SaaS e como tem API aberta, garante flexibilidade para criação do layout, ou seja, permite a implantação de códigos html, css e javascript personalizados. – Checkout inteligente Cliente pode finalizar a compra mesmo sem cadastro (por meio do login social) e conta com recursos diferenciados, como o auxílio visual, para agilizar o pagamento com cartão de crédito. – Canais de venda integrados de forma nativa Isso valoriza a experiência omnichannel, uma vez que a compra e as consultas podem ser feitas na loja física, no site, no mobile e nas redes sociais. – Apoio ao marketing emprego de ferramentas para visualizar a evolução das vendas, do perfil de clientes, relatórios sobre carrinhos abandonados e produtos mais vendidos. acesso direto às principais ferramentas do Google e do Facebook, para facilitar gestão de promoções.

4- Iniciativas prioritárias para melhorar o desempenho

4.1- Foco na conversão

Ter uma operação focada em conversão faz muita diferença, uma vez que isso significa que todos os seus processos foram desenvolvidos para facilitar a navegação e a compra. Além disso, o gestor pode contar com recursos que facilitam a promoção das vendas. Vamos usar como exemplo o cross selling ativo. Essa funcionalidade permite que, a partir da relação de produtos, seja possível aumentar o ticket médio oferecendo “Compre junto”, “Produtos relacionados” e “Quem comprou Também comprou”. Plataforma com foco em conversão têm outra vantagem: são desenvolvidas com base nas melhores práticas de otimização, para que a loja obtenha relevância nas buscas orgânicas.

4.2- Integração com marketplaces

Citamos no começo do texto a importância conquistada pelos marketplaces no cenário atual do e-commerce mundial. Para aproveitar o potencial desses canais, certifique-se de que a plataforma faça a integração via hub nativo. Isso reduz o fluxo de trabalho do vendedor, na medida em que a loja pode administrar todo o processo na própria plataforma.

4.3- Gestão eficiente

É impossível ter sucesso no e-commerce sem cuidar de forma adequada da categorização do catálogo de compras. Além disso, a gestão da operação torna-se mais eficiente se a loja contar com ferramentas específicas para analisar a jornada de compra do cliente. Por exemplo, com o JET Analytics,  o cliente tem acesso a diversos tipos de relatórios, independentemente do canal empregado para a compra. Assim, é possível avaliar o desempenho das vendas via web, mobile, redes sociais e marketplaces, tudo integrado com as lojas físicas (se for o caso).

5- Conclusão

Devido à importância conquistada pela internet para a venda de produtos e serviços, a decisão de abrir ou não um e-commerce é questão de tempo. Por que adiar e deixar de aproveitar o potencial de vendas e as facilidades oferecidas por esses canais? Ao analisar as plataformas disponíveis, confira: reputação da empresa, tecnologia, modelo, integração, parcerias e foco na conversão. A partir daí, não é difícil cuidar da organização da infraestrutura interna da operação. Assim, o desafio para os gestores é dedicar-se a orientação estratégica do negócio. Com o aumento da concorrência, é importante trabalhar para consolidar o nome da loja e para atrair (e reter) a atenção do público. Ter parceiros adequados pode fazer muita diferença, até para cobrir todas as frentes que compõem o ecossistema do e-commerce. Não se pode correr o risco de ver o negócio fracassar por falhas no atendimento ou na qualidade dos serviços prestados. Lembre-se de que o ambiente digital é propício para que o seu negócio ganhe escala. Essa é uma das vantagens da venda via internet: não existem barreiras geográficas e a expansão dos negócios nem sempre depende de investimentos em infraestrutura.

6- Sobre a JET e-business

Com 18 anos de mercado, a JET e-business possui soluções de e-commerce para médias e grandes empresas. A tecnologia das plataformas opera no modelo SaaS, escalável e com alta performance. A suíte de soluções da JET apresenta tecnologia específica por segmento e é possível atingir alto nível de customização. Com foco na experiência do consumidor nos canais físico e online, a JET desenvolveu uma solução omnichannel. Com uma camada de inteligência de vendas a ferramenta é capaz de trazer maior conversão, autonomia para o vendedor e controle total para o gestor. Conheça os serviços da JET para o seu negócio. Entre em contato com nossa equipe de especialistas pelo e-mail contato@jet.com.br.

Postado em Vendas

CONTINUE ACOMPANHANDO NOSSAS NOVIDADES AQUI NO BLOG!
SAIBA MAIS SOBRE AS SOLUÇÕES DA JET E-BUSINESS:


Posts relacionados