Checkout ágil é necessário para o melhor desempenho on-line

O mercado de e-commerce vive continuamente em evolução e uma das maneiras de aperfeiçoar o modelo de negócios é oferecer aos e-consumidores processos de finalização da compra mais rápidos, sem complicações que disperse o foco. Para uma parcela significativa de especialistas, o checkout é o ‘calcanhar de Aquiles’ do comércio eletrônico. As principais recomendações para o aperfeiçoamento desse passo já foram feitas, como a redução dos formulários de cadastros e a inclusão de informações relativas às condições de pagamentos ainda na página de detalhes. Mas as empresas continuam em busca de um método alternativo ao padrão atual. Nesse processo, surgem novas tecnologias. Um sistema recentemente implantado por uma empresa intermediária de pagamentos digitais dá ao cliente a possibilidade de pagar com apenas o clique de confirmação. A ideia pode ser determinante para o amadurecimento do checkout em lojas virtuais brasileiras, apesar disso, ela esbarra diretamente na cultura da população e encontra efetividade no crescimento da confiança dos compradores pela internet, que aumenta anualmente, porque para dar certo, a tecnologia armazena os dados do cartão do cliente. Segundo a última edição do relatório Webshoppers, 83% das pessoas aderiram ao comércio eletrônico no Brasil e a segurança quanto ao sistema cresce praticamente na mesma proporção. O pagamento com um clique, acredita Daniel Martins, coordenador de novos negócios da JET Tecnologia em Comércio Eletrônico, pode ser uma das medidas, não a única. O que realmente impacta na qualidade do checkout é a objetividade da qual ele dispõe. Ele acredita que o mercado tem um padrão pré-estabelecido, porém encontrar o modelo ideal para o público-alvo da empresa é importante. “Tudo depende do estudo comportamental do público versus produtos”, diz e também complementa: “as plataformas tem como obrigação, no mínimo, manter o processo padrão de checkout e claro que aquelas que aceitam upgrades e melhorias estão na frente.” O impulso das melhorias Uma das maneiras de se modificar a experiência de checkout é dar ao e-consumidor novas possibilidades de compra. Por exemplo, produtos em promoção ou que estejam ligados ao artigo de interesse do cliente podem ser apresentados no último momento, antes da conclusão do pagamento. Com essa ferramenta, maximiza-se a satisfação do cliente, ao passo que diminui o tempo investido futuramente na procura de produtos que ele pode adquirir naquele único momento – com isso, ainda eleva-se o tíquete médio. O que Daniel Martins deixa claro é que as empresas precisam manter a continuidade de inovação dos processos, sem perder a objetividade, principal elemento para o sucesso do checkout e otimização da venda para o cliente. “Os sistemas que encontramos no mercado, em geral, são muito bons, mas não precisam parar de evoluir por isso. O e-consumidor é naturalmente exigente e aceita boas modificações, desde que não impacte nos aspectos que ele assimila à segurança”, conclui. Conte qual formato de checkout a sua empresa adota para um sistema facilitado e rápido!

Posts relacionados


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *