Descomplicando o SEO para e-commerce

Num cenário cada vez mais competitivo para o varejo online, em razão até do crescimento registrado em 2020, é importante que as empresas diversifiquem seus investimentos na geração de tráfego.

Reside neste aspecto a importância do SEO (Search Engine Optimization). Os serviços de busca figuram como uma das principais formas de acesso dos consumidores às lojas, então, é imprescindível que as marcas consigam um bom posicionamento.

Vale lembrar que SEO é responsável por gerar mais reconhecimento de marca, aumentar o tráfego e gerar mais negócios para as operações.

Com base nas experiências que temos com os nossos clientes e no contato que temos com as agências especializadas, reunimos neste artigo informações relevantes para quem precisa aprimorar seus resultados nesta frente.

Por que investir em SEO?

Essa é uma pergunta que ainda se ouve muito: será que preciso investir em SEO? A resposta é sim. Afinal, busca orgânica figura em segundo lugar no ranking de acesso às lojas, perdendo apenas para o acesso direto.

No último relatório da Conversion, referente aos dados de 2020, tráfego direto responde por 44% e busca orgânica, por 28%. Busca paga representou 18,5% das visitas.

Considerando apenas o varejo, os sites monitorados (são 217 no total) tiveram nos últimos doze meses mais de 10 bilhões acessos.

Como fazer SEO para e-commerce?

Ter um site bem ranqueado exige, em primeiro lugar, que a empresa cuide de vários aspectos da página. Para isso, é essencial escolher uma plataforma de e-commerce SEO friendly.

Na prática, isso significa que todo o sistema de vendas foi construído com as melhores práticas de otimização para que a loja obtenha relevância nas buscas orgânicas.

Um aspecto fundamental, nem sempre considerado, é que trabalhar bem o SEO implica em orientar suas ações para a experiência do usuário.

Parece óbvio, mas ainda existem empresas que julgam que o mais importante é focar no buscador.

Isso é um erro, até porque o próprio Google, por exemplo, tem adotado nos últimos anos uma série de iniciativas para coibir más práticas nessa área.

O objetivo, então, deve ser oferecer o melhor ambiente para o usuário, ou seja, layout adequado, facilidade de navegação e, claro, conteúdos de qualidade.

Dito isso, é prioritário adotar alguns cuidados, como:

– trabalhar as palavras-chave

A palavra-chave é o termo que o cliente usa para fazer a sua busca. Usá-las corretamente, portanto, é uma excelente maneira de atrair um tráfego qualificado.

Especificamente no caso do e-commerce, o planejamento deve ser feito com foco na jornada de compra. Ou seja, é preciso escolher referências que são usadas pelo público no início da pesquisa, mas também aquelas que podem ser utilizadas por quem já está preparado para finalizar a compra.

Ainda em relação à palavra-chave, ela deve aparecer em locais estratégicos, como no título das páginas.

Contar com o apoio de uma empresa especializada em SEO pode ajudar bastante neste momento, uma vez que eles detêm as técnicas e as ferramentas necessárias para refinar o planejamento.

– organizar a página

Além do planejamento e do emprego adequado da palavra-chave, ter um e-commerce bem ranqueado nos serviços de busca exige atenção com a organização do site.

Por isso, como citamos acima, a escolha da plataforma é determinante para o sucesso dessa estratégia.

Ter um sistema de vendas devidamente preparado para o SEO garante, por exemplo, a presença de URL amigáveis.

Fora a infraestrutura, um dos cuidados refere-se à elaboração das descrições dos produtos e do meta description.

Neste último caso, algumas dicas: capriche no texto, use palavras-chave importantes para o seu negócio e não ultrapasse os 160 caracteres, que é o limite do Google.

Outro aspecto que merece atenção são as imagens e suas respectivas tags. Faça uma distribuição criteriosa dos termos mais relevantes e trabalhe com fotos que valorizem os seus produtos.

Esses são alguns dos conceitos básicos para quem espera melhorar o seu ranqueamento, mas o principal é focar na experiência do usuário.

O que não pode faltar na sua estratégia de SEO?

A análise dos dados reunidos no relatório da Conversion ajuda a entender quais iniciativas são mais importantes para elevar a performance das empresas em SEO.

Um dos fatores mais importantes, por exemplo, é a linkagem das páginas. No estudo, constatou-se que páginas na primeira posição recebem em média 19 links internos.

Outro aspecto fundamental é o tempo de carregamento da página. Todas as que figuram nas primeiras posições demoram menos de 2 segundos para carregar.

Ter sites “leves”, que não gerem problemas para o cliente na hora do acesso, também é essencial em razão da importância do mobile. Fique atento: sites incompatíveis com os dispositivos móveis estão sendo desindexados pelo Google.

Uma das questões que precisam ser consideradas são as atualizações realizadas pelo Google. 

Para manter-se devidamente informado sobre as mudanças, a dica é acompanhar os resultados usando as próprias ferramentas do Google, como PageSpeed Insights, ou ainda serviços como o SERP Volatility, criado pela Conversion justamente para fazer o mapeamento diário das flutuações nos resultados do Google no Brasil.

Como sempre frisamos com nossos clientes, manter um e-commerce de sucesso depende de atenção com diversas áreas, contudo, o foco é o mesmo: valorizar a satisfação do cliente. No final, é ele quem está no centro e orienta o processo de tomada de decisão.

Posts relacionados