Dia das mães: comércio eletrônico tem um papel importante neste momento

O comércio eletrônico deve ser o principal responsável este ano pelo movimento do comércio nas comemorações do Dia das Mães. A data, que é uma das principais do varejo, deve sofrer o impacto do fechamento das lojas físicas, imposto pelas autoridades de vários estados e municípios como forma de promover o distanciamento social. Para quem já atuava com o conceito omnichannel, a expectativa é que os resultados sejam melhores. Essas operações poderão contar com seus outros canais de vendas e, além disso, têm condições de trabalhar de forma mais eficiente com os dados disponíveis, uma vez que as informações dos clientes já estão integradas. De qualquer maneira, segundo os especialistas, as empresas este ano devem estar mais atentas com a comunicação, investir em estratégias que respeitem o momento vivido pelo país. Separamos para este artigo algumas informações importantes sobre o papel do comércio eletrônico no Dia das Mães. Confira!

Dia das mães: atenção redobrada com as estratégias

Para quem está pronto para vender seus produtos pela internet no Dia das Mães, é importante atentar para os cuidados que devem ser adotados no momento.

Uso da força de vendas

Lojistas que não podem contar nesse momento com as lojas físicas para atender aos clientes podem fazer uso da sua força de vendas para estimular as compras online. Os players que atuam no comércio eletrônico defendem há algum tempo a necessidade de os vendedores atuarem também como consultores digitais. Nesse momento de isolamento social, adotar esse caminho pode ser uma das saídas para o comércio.

Ações mais personalizadas

Outra questão importante é valorizar os contatos, humanizando a comunicação das marcas. Segundo os especialistas, o período é propício para que as empresas coloquem os seus valores em prática, demonstrando o respeito que têm pelo cliente. Adotar iniciativas nesse sentido exige envolvimento de todas as áreas das empresas, uma vez que é preciso estudar o que pode ser feito para fortalecer o relacionamento com o consumidor. É possível atuar com frete grátis? Aumentar o percentual de desconto das mercadorias? Oferecer voucher para uma próxima venda? Enfim, este é o momento de rever as estratégias. Outro aspecto importante é valorizar os contatos estabelecidos com os novos clientes, pessoas que podem estar experimentando as compras online. Para isso, é fundamental monitorar de perto a movimentação dos clientes na loja, tentando agir rapidamente para reverter compras não finalizadas. O problema pode ter sido gerado pela falta de experiência do cliente, então, é importante que a loja consiga atender à demanda.

Não pensar apenas no presente

Diante das dificuldades enfrentadas, essa tem sido uma dica recorrente no ambiente corporativo: não olhar apenas para os resultados imediatos e sim para o que pode acontecer no pós-pandemia. Esse talvez seja um dos desafios para criar boas ações para o Dia das Mães e para as demais datas comemorativas de 2020. É importante usar os dados disponíveis sobre os consumidores para criar essa aproximação.

Mudanças no comportamento do consumidor

Ao elaborar as estratégias para o e-commerce para o Dia das Mães, é importante considerar o momento atual do comércio eletrônico. Como era esperado, em virtude das dificuldades enfrentadas pelas lojas físicas, o e-commerce passou a ter um papel mais importante nas vendas do comércio. Com isso, a situação das operações omnichannel, que dispõem de outros canais de vendas, foi um pouco mais confortável do que a encontrada pelas empresas que ainda não estavam preparadas para vender pela internet. Levantamento realizado pela E-bit/Nielsen confirmam a ascensão do comércio eletrônico nas primeiras semanas do isolamento social. Segundo o estudo, as principais altas foram registradas em setores de primeira necessidade, como os supermercados. Nesse caso, o número de novos consumidores no e-commerce praticamente dobrou após o início da quarentena. Para se ter uma ideia da mudança, houve um crescimento de 96% entre 19 e 25 de março no número de estreantes. Detalhe: o aumento foi mais acentuado nesse segmento, mas o resultado foi positivo em praticamente todos os demais setores. Na média, o número de novos consumidores no e-commerce ficou em 12%. Para quem atua na área, trata-se de uma informação importante, uma vez que confirma que existe condição para uma aceleração no processo de transformação digital do comércio. São novas pessoas descobrindo os benefícios das compras online e, num momento pós pandemia, elas não devem abrir mão da conveniência proporcionada pelas plataformas digitais.

Aumento da adesão ao e-commerce

É importante lembrar que esse movimento de ascensão do e-commerce não é exatamente uma novidade. O segmento tem registrado aumento nos últimos anos tanto no volume de faturamento como na quantidade de pedidos. O que há de novo nessa história é a entrada de consumidores que, até então, tinham certa resistência em experimentar as compras online. Além disso, quem já tinha o hábito aumentou a frequência das compras. Estudo realizado pela ABComm, em parceria com a Konduto, confirma essa movimentação. Foram analisados mais de 20 milhões de pedidos, de 4 mil lojas virtuais, no período de 1.º de março a 8 de abril. Após a queda registrada no início da quarentena, as vendas via e-commerce começaram a subir no final de março, apresentando resultados positivos em praticamente todos os setores. Para se ter uma ideia, de 25 de fevereiro a 20 de março, registrou-se um aumento de 30,5% em pedidos feitos e de 28% em faturamento.

Os resultados no segmento de moda

Contrariando até as expectativas do próprio mercado, o segmento de moda é um dos que têm conseguido melhorar seus resultados, apostando justamente na força do e-commerce. A Dito CRM realizou uma pesquisa com empresas dessa área que têm lojas físicas e virtuais, analisando 731 mil compras no período pós Covid-19. O levantamento mostrou que, nesse grupo, o faturamento cresceu em relação a março de 2019 quase 50%. Em volume de pedidos, o índice chegou a 37,7%. Nesse caso, chama a atenção o fato de que o retorno positivo foi gerado a partir do uso de estratégias mais eficientes para abordar o cliente. Em vez de campanhas mais genéricas, as empresas conseguiram usar as informações da base de dados para chegar no consumidor de forma mais personalizada. Outra constatação importante refere-se ao uso dos vendedores das lojas físicas que, diante da impossibilidade de atender ao cliente pessoalmente, passaram a atuam como consultores digitais, auxiliando o consumidor na compra online. Esse tipo de movimentação tem se intensificado nesse período de isolamento social. Temos percebido essa movimentação na JET, com o aumento da adesão de ferramentas como o ZapCommerce. O emprego dos recursos do app funciona bem para otimizar o trabalho de vendedores e revendedores, viabilizando esse aumento da força de vendas das operações. Como vimos neste artigo, as comemorações do Dia das Mães serão certamente impactadas pelo Covid 19, mas as marcas podem usar os recursos das plataformas digitais para minimizar as dificuldades. Gostou do artigo? Quer saber mais sobre as vantagens das vendas pela internet? Confira nosso artigo a respeito dos critérios de escolha para plataformas de e-commerce.  

Posts relacionados