E-commerce brasileiro cresce e fica mais seguro, diz PayPal

E-commerce brasileiro cresce e fica mais seguro, diz PayPal

E-commerce brasileiro cresce e fica mais seguro, diz PayPalPayPal e Big Data Corp. divulgaram estudo profundo sobre o e-commerce brasileiro, “Perfil do E-commerce brasileiro”. Esta é a segunda edição da pesquisa, que processou mais de 4,5 petabytes de informação para analisar os cerca de 10,5 milhões de sites de comércio eletrônico do Brasil.
Segundo a pesquisa, o número de lojas online no País cresceu 21,52% entre 2015 e 2016. Os sites de e-commerce, que representavam 2,65% do total das URL’s brasileiras no ano passado, agora respondem por 3,54% do universo pesquisado. A migração de estabelecimentos para o ambiente online é confirmada pela diminuição do número de lojas online que também possuem lojas físicas: em 2015, eram 14,53%; hoje, são 13,46%.

E-commerce e m-commerce em ascensão

– Os e-commerces pequenos (que recebem até 10 mil visitantes por mês) são 92,64% do mercado (eram 88,02% na última medição); já os médios (entre 10 mil e 500 mil visitantes/mês) apresentaram queda de quatro pontos percentuais de 2015 para 2016 (eram 11% em 2015 e, atualmente, são 6,61%); e os grandes sites (com mais de 500 mil visitantes por mês) representavam 0,98% dos e-commerces brasileiros em 2015 e, este ano, passaram a representar 0,76%.

– O crescimento do número de sites de comércio eletrônico não foi acompanhado pela necessidade de serem responsivos (ou seja, se adaptarem, automaticamente, ao dispositivo do usuário, seja ele um PC, um tablet ou smartphone). Segundo a pesquisa, apenas 16,12% deles se adequam a qualquer dispositivo móvel. O número é pequeno e precisa crescer, já que o Google, por exemplo, só mostra nas primeiras páginas de suas buscas os sites já adaptados para as telas do celular. E, daqui para a frente, as compras serão, cada vez mais, feitas por meio de smartphones.

– Segundo pesquisa Ipsos/PayPal realizada no final do ano passado, 13% do total gasto online no mundo inteiro se deu via smartphone em 2015. Mais do que isso: enquanto o e-commerce tradicional no Brasil cresce a uma taxa de 29% ao ano, devendo movimentar R$ 121,2 bilhões em 2016, o mobile commerce cresce a estonteantes 107%, ritmo três vezes mais acelerado. Ainda que bem menor, esse mercado deverá fechar 2016 tendo movimentado R$ 27,4 bilhões. Alguns segmentos – como moda, por exemplo – já registram mais de 40% de suas vendas via mobile. Seguindo a tendência do comércio mobile, é fundamental que as lojas virtuais invistam em sites adequados ao m-commerce, se quiserem firmar-se neste cenário tão competitivo.

– Segundo o estudo, São Paulo, que já era sede de 54,87% deles, ampliou essa vantagem na atual pesquisa: 56,38%. Rio de Janeiro, que ostentava 8,48% em 2015, agora tem 7,19%; e o Paraná, terceiro colocado no ano passado, com 7,26%, passou para a quinta colocação, com 6,5% – foi ultrapassado pelos micropolos (17 estados mais o DF, que representam 6,83%) e por Minas Gerais, que, apesar de subir no ranking, teve queda no índice de e-commerces locais, de 7% para 6,97%.

– Um dado que ajuda a perceber a crise pela qual passa o Brasil é o tíquete médio das compras online no decorrer do último ano: 76% dos sites de comércio eletrônico analisados pelo estudo venderam itens com valores abaixo de R$ 100; 8,7%, produtos com preço entre R$ 100 e R$ 500; e 3,33%, produtos entre R$ 500 e R$ 1 mil. Na outra ponta dessa fatia da pesquisa aparecem as lojas online que comercializam produtos acima dos R$ 1 mil. São, atualmente, 12% do mercado brasileiro.

– Já a disparada do dólar explica por que muitos e-commerces abandonaram seus servidores fora do País no decorrer do ano. Em 2015, apenas 28,48% dos sites de comércio eletrônico estavam baseados no Brasil. Agora, são 44,42%. Entretanto, as compras internacionais continuam fazendo parte do comportamento dos consumidores online brasileiros. De acordo com pesquisa da Ipsos/PayPal divulgada em novembro de 2015, 67% dos internautas no mercado local compraram online nos 12 meses entre outubro de 2014 e outubro de 2015. No universo de consumidores online, 51% afirmaram ter adquirido produtos somente em sites brasileiros; 45% compraram tanto domesticamente quanto em outros países; e somente 4% fizeram negócios apenas cross-border.

– O estudo também apontou que 60,71% dos sites de comércio eletrônico brasileiros usam as redes sociais para turbinar vendas e promoções. O Facebook é o preferido, com 54,96%. Em seguida vêm Twitter, com 35,87%; YouTube, 20,80%; e Instagram, 9,32%.
Segurança: bem cada vez mais necessário

– O aumento das taxas de juros e a diminuição da renda dos consumidores impactaram as vendas do comércio varejista brasileiro, que despencaram em 2015 e fecharam o ano em queda de 4,3% – a maior da série histórica do IBGE, iniciada em 2001. Também na contramão desse cenário, as vendas online cresceram cerca de 15% no mesmo período.

– Para atender essa demanda crescente de maneira efetiva, as lojas virtuais investem, cada vez mais, em segurança e no incremento de métodos de pagamento – além de usar as redes sociais para turbinar seus resultados.

– Com o aumento do uso da Internet para a realização de transações financeiras, tornou-se imprescindível a criação de meios que protejam vendedor e comprador. Quando o tema é segurança das transações, as formas de pagamento disponibilizadas pelo e-commerce passam a ter representatividade clara. Além de aumentarem a segurança das compras, conferem facilidade de pagamento e praticidade a vendedores e compradores.

– O estudo encomendado pelo PayPal à BigData Corp. também abordou temas como segurança e meios de pagamento, e os resultados são positivamente surpreendentes. Em 2015, 38,09% dos sites pesquisados tinham algum serviço de pagamento eletrônico; agora, eles já são 41,21%.

– Quanto à segurança propriamente dita, houve uma inversão muito rápida: em 2015, apenas 20,68% dos sites usavam tecnologia SSL (Secure Socket Layer) para proporcionar uma navegação segura dos clientes; agora, são 73,85%.

Posts relacionados


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *